QUEM AMA SENTE CIÚME?

Ou como dizia Chain Samuel Katz “Nós não temos ciúme; é ele, este sentimento, que nos têm”.

Mas quem gosta de dividir a pessoa amada com alguém? Quando estamos enamorados, que é o estágio de uma relação amorosa, é o momento onde o ciúme ainda não tem lugar, é uma fase gostosa, onde estamos voltados totalmente para o outro, e o que amamos no outro, são coisas simples como o sorriso, a voz, o jeito de falar….
Estas coisas tornam esse estágio muito rico, quando há troca vivemos um sentimento de muita importância e valor, nos sentimos insubstituíveis.

Então, quando entra o ciúme?

O ciúme nem sempre vem de fora para dentro, pode vir de nossas inseguranças, de nossas fantasias e medos. Ameaçando, destruindo e até mesmo levando ao rompimento da relação. No relacionamento amoroso estamos sempre pensando no ser amado, no que já foi vivido, na troca de carinho e de prazer, sempre estamos construindo e reconstruindo a relação no nível do pensamento, garantindo assim que continuemos investindo no futuro dessa relação, muitas vezes “idealizando”. E é aí que muitas vezes as coisas saem erradas, pois o que foi “idealizado”, sonhado, não corresponde com a realidade. Muitas vezes há uma grande distância entre o sonhado e o realizado.
Uma relação amorosa não se sustenta só com sonhos, ela é baseada principalmente com a realidade, com a troca, com o relacionamento em si. A relação idealizada tem que estar congruente com a realidade e para que isso ocorra passamos a buscar sinais do amor, provas, atos e gestos amorosos. Quando não encontramos ou não encontramos do jeito que imaginamos, cria-se o ambiente favorável para a instalação do ciúme, que traz junto a possível introdução de um “terceiro” na relação.

Tipos ciumentos

Com o surgimento de um terceiro na relação, ou a simples possibilidade, conduz a alguns tipos de reação e de tentativa de resolução. Um desses tipos é o “tipo heróico” aquele que aceita e admite o interesse e até mesmo o amor do seu par por outra pessoa, tendo como fala: “Pode ir, se é isso que você quer” ou mesmo “Tudo bem, contanto que você seja feliz”.

Mesmo estando com raiva, magoado ou mesmo com ódio, tenta superar, se submetendo a tentar ser do “jeito” que a pessoa amada deseja, ou no mínimo do jeito que ele acha que o “amado” gostaria, passando a imitar e ter como modelo o “terceiro”. Neste caso quando a relação termina, a pessoa sente-se obrigada a desistir do “amado”, e muitas vezes o faz sentindo muita raiva, mágoa e até ódio. Sua reação é de destruir o passado, as lembranças, as memórias, os presentes, tendo em seguida a apatia e até mesmo a depressão.
Outro tipo é o “passional” sua característica é baseada na exclusividade do prazer, por exemplo: “Só ele me dá prazer”, “Sem ele não vivo”, não é apenas uma busca é muito mais do que isso, chega a ser uma necessidade, passando do desejo, do prazer, para a dependência e necessidade.

Este tipo acontece na esfera do pensamento, então muitas vezes a introdução do “terceiro” é fantasiosa, só acontece na fantasia, sem correspondente na realidade. O ciúme neste tipo é muito forte e persecutório, podendo tornar a vida do “amado” um verdadeiro inferno.

Existe a “paixão unilateral” que se estabelece na eminência de uma separação, instalando-se imediatamente o ciúme, pois a pessoa vive o tempo todo achando que vai ser abandonada, rejeitada, trocada, descartada. O “amado” passa a ser a única fonte de prazer. “Prefiro morrer a perder a pessoa amada”. A pessoa passa a se menosprezar, se desqualificar, passando a achar qualquer pessoa melhor e mais interessante do que ela. Acha que só ela ama e que só ela sofre. Tem ciúmes da própria sombra.

Doses de ciúmes

Podemos falar em três gradações de ciúmes. O ciúme normal, a pessoa fica triste, tem sentimento de perda ou mesmo pensa ter perdido o “amado”, causando dor e sofrimento. A pessoa sofre uma ofensa ao seu narcisismo, e sua auto-estima fica comprometida. Pode também se sentir responsável pelo rompimento, pela perda, ficando ainda mais deprimida. Essas situações podem ser reais e atuais, mas não são sempre racionais, porque muitas vezes podem ter suas raízes em fases mais infantis.
No ciúme projetado a sua característica é a própria infidelidade praticada por um dos parceiros, ou no desejo de ser infiel.

Não podemos descartar que a fidelidade sempre estará sujeita a tentações, pressões e cobranças, as pessoas que tendem a projetar o ciúme sempre estão negando seus desejos suas dificuldades, ou até mesmo suas infidelidades. Quanto mais sentem essa pressão, mas elas suspeitam da fidelidade do “amado”, aliviando assim sua própria consciência.

A terceira gradação é o ciúme delirante, classificado nas formas da paranóia. É a gradação mais forte, chegando a ser patológico, onde o ciumento transforma a relação dual em triangular, onde o “amado” passa a ser objeto de ressentimento, de frustrações atuais ou do passado, o “amado” passa ser a parte ruim da pessoa.
O ciumento nessa gradação se sente muito enganado, abandonado, e começa a criar uma realidade cheia de histórias e mentiras, ele passa a acreditar nessas histórias e começa a contra-atacar, a reagir. As formas de contra-ataque podem ser das mais brandas até as mais violentas. O ciumento vai envolvendo o “amado” nas suas histórias, confundindo-o, criando as pseudoprovas, trata-se de interpretações delirantes. “Estou sendo traído”.

Para finalizar, gostaria de colocar que quando nos relacionamos amorosamente, deveríamos também fazer uma distribuição dos nossos sentimentos e afetos em outras relações como amizade, família….etc. Pois assim o “outro” não se tornará “tudo” para nós.

Katia Horpaczky
CRP 06-41.454-3
Psicóloga Clínica especialista em Relacionamentos, Sexualidade e Terapia de Casal
Whatsapp
55 11 9.9234-1498

By |2020-08-24T13:51:05+00:00agosto 24th, 2020|Relacionamentos|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment